227ª JUNTA DE SERVIÇO MILITAR DE UNIÃO PAULISTA


DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ALISTAMENTO:
  • • XEROX CERTIDÃO DE NASCIMENTO;
  • • XEROX DO RG (CÉDULA DE IDENTIDADE);
  • • CPF;
  • • COMPROVANTE DE RESIDÊNCIA;
  • • 02 (DUAS) FOTOS 3X4, RECENTE, SEM RETOQUE, DE FRENTE.

CONTATO/HORÁRIO DE ATENDIMENTO:
  • • SECRETARIA MARAISA TARDOQUE
  • • MARAISATARDOCHI.28@YAHOO.COM
  • • PRESIDENTE DA JSM – CLEUSA GUI MARTINS

  • • RUA 21 DE MARÇO, 881
  • • TELEFONE - (17) 3278210 RAMAL, 134

  • • JUNTO AO PAÇO MUNICIPAL
  • • DAS 7:300 ÀS 11:00 HORAS E DAS 12:30 ÀS 17:00 HORAS

ALISTAMENTO MILITAR DE 02 DE JANEIRO A 30 DE JUNHO.
A PARTIR DE 01 DE JULHO A 31 DE DEZEMBRO FORA DO PRAZO (TAXA, MULTA ART. 176/1).


PATRONO DO SERVIÇO MILITAR - OLAVO BILAC

Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (Rio de Janeiro, 16 de dezembro de 1865 — 28 de dezembro de 1918) foi um jornalista, contista (vide ''Contos Pátrios''), cronista e poeta brasileiro do período literário parnasiano, membro fundador da Academia Brasileira de Letras. Criou a cadeira 15 da instituição, cujo patrono é Gonçalves Dias.

Conhecido por sua atenção à literatura infantil e, principalmente, pela participação cívica, Bilac era um ativo republicano e nacionalista, também defensor do serviço militar obrigatório[1] em um período em que o exército usufruía de amplas faculdades políticas em virtude do golpe militar de 1889. O poeta foi o responsável pela criação da letra do Hino à Bandeira, inicialmente criado para circulação na capital federal da época (o Rio de Janeiro), e mais tarde sendo adotado em todo o Brasil. Também ficou famoso pelas fortes convicções políticas, sobressaindo-se a ferrenha oposição ao governo militar do marechal Floriano Peixoto. Em 1907 foi eleito "príncipe dos poetas brasileiros", pela revista Fon-Fon. Bilac, autor de alguns dos mais populares poemas brasileiros, é considerado o mais importante de nossos poetas parnasianos.